Listen and follow our podcasts on:

This educational programme is supported by an Independent Medical Education Grant from AstraZeneca and Amoy Diagnostics.

No episódio final desta série de podcasts de 3 partes, os Oncology Brothers fazem a moderação da conversa sobre os desafios da fase pré-analítica e teste de biomarcadores de câncer de ovário.

Acompanhados das especialistas Professora Adjunta Martina Murphy (oncologista) e a Professora Adjunta Caterina Marchiò (patologista), compartilham suas visões sobre a importância de detectar alterações genéticas no câncer de ovário e exploram os desafios mais comuns da fase pré-analítica e abordagens para teste de biomarcadores.

Temos o prazer de compartilhar que este podcast tem o endosso da Associação pela Patologia Molecular (AMP). Saiba mais sobre a AMP em www.amp.org

 

Ensinamentos Clínicos

  • Aderir às diretrizes adequadas e garantir a coordenação e comunicação corretas entre os departamentos envolvidos na coleta de tecido é imprescindível para garantir a fixação das amostras no prazo correto e a preservação da integridade do DNA
  • É indispensável que os oncologistas se comuniquem de maneira eficiente com os pacientes em relação ao estado da doença e aos resultados do teste de biomarcadores. Isso inclui educar os pacientes sobre a relevância dos biomarcadores, conversar sobre as implicações dos resultados do teste, possíveis opções de tratamento e a importância do teste abrangente para a medicina personalizada
  • A colaboração multidisciplinar entre oncologistas, patologistas, geneticistas e bioinformáticos é de suma importância para otimizar o atendimento ao paciente, promover uma tomada de decisão informada e melhorar o entendimento e participação do paciente
  • Identificar os principais biomarcadores de significado clínico no câncer de ovário (BRCA1 e BRCA2) e saber a situação da deficiência de recombinação homóloga (HRD), do receptor alfa de folato e do reparo de incompatibilidade (MMR) ajuda a comunicar o tratamento

Objetivos Educacionais

  • Conscientizar sobre os desafios pré-analíticos e como reduzi-los em amostras de câncer de ovário
  • Capacitar a inclusão de todos os biomarcadores no teste solicitado e exames
  • Compreender a importância da equipe multidisciplinar na tomada de decisão, incluindo decisões referentes a exames e tratamentos

Transcrição do Podcast 

Câncer de Ovário: Desafios da Fase Pré-Analítica e Teste de Biomarcadores 

 

Moderado por: 

Drs. Rahul e Rohit Gosain, os Oncology Brothers. 

 

Trazido a você por: 

Dra. Martina Murphy, Oncologista e Professora Adjunta de Medicina, Universidade da Flórida, EUA. 

Dra. Caterina Marchiò, Professora Adjunta de Patologista, Instituto do Câncer de Candiolo FPO-IRCCS, Universidade de Turim, Itália. 

 

Apresentado por: 

Tonke de Jong, COR2ED. 

 

Observação: 

Os podcasts da PRECISION ONCOLOGY CONNECT são desenvolvidos para serem assistidos e/ou ouvidos. Se possível, sugerimos que você ouça o áudio, que inclui emoções e ênfases que não são facilmente compreendidas quando lidas. As transcrições são editadas para facilitar a leitura. Favor verificar o áudio correspondente antes de citar a versão impressa.  

 

Este podcast é uma iniciativa da COR2ED e desenvolvido pela PRECISION ONCOLOGY CONNECT, um grupo de especialistas internacionais que trabalham na área da oncologia de precisão.  O podcast é financiado por uma bolsa educacional independente concedida pela AstraZeneca e Amoy Diagnostics.  

 

As visões apresentadas são as opiniões pessoais dos especialistas. Elas não representam necessariamente as visões da instituição dos especialistas ou do restante do grupo PRECISION ONCOLOGY CONNECT.  

 

Para pareceres dos especialistas em relação a algum conflito de interesse, acesse o site da COR2ED. 

 

Tonke de Jong (COR2ED) 

Desafios cometidos na fase pré-analítica são a maioria da variabilidade no fluxo de trabalho analítico com o potencial de impactar os resultados do teste de biomarcador, a segurança dos pacientes e aumentar os custos para os laboratórios. É importante ressaltar onde os desafios pré-analíticos podem ter impacto e como tratá-los.  

 

Esse é o episódio final do podcast na série em 3 partes sobre os desafios ocorridos na fase pré-analítica em teste de biomarcadores. Neste episódio, focamos principalmente no câncer de ovário.  

 

Este podcast é uma iniciativa da COR2ED e financiado por uma Bolsa Educacional Independente concedida pela AstraZeneca e Amoy Diagnostics. A COR2ED tem o prazer de apresentar os Oncology Brothers, Drs. Rahul e Rohit Gosain, moderadores da conversa de hoje, Dra. Caterina Marchiò, Patologista e Professora Adjunta no Instituto do Câncer de Candiolo, e Dra. Martina Murphy, Oncologista e Professora Adjunta na Universidade da Flórida. 

 

Dr. Rahul Gosain (Oncology Brothers) 

Olá a todos. Eu sou o Rahul Gosain.  

 

Dr. Rohit Gosain(Oncology Brothers) 

E eu sou o Rohit Gosain.  

 

Dr. Rahul Gosain (Oncology Brothers) 

E nós somos os Oncology Brothers. Como oncologista geral, temos que acompanhar tudo o que está acontecendo ao nosso redor em termos de tumores hematológicos e sólidos. Com aproximadamente 20.000 novos diagnósticos aqui nos Estados Unidos e mais de 300.000 novos casos no mundo a cada ano, o câncer de ovário é algo que deveria estar no nosso radar. Para atender melhor nossas pacientes, é importante que entendamos todos os desafios da fase pré-analítica e do teste de biomarcadores para câncer de ovário. Para tratar desse assunto, estamos acompanhados da Dra. Martina Murphy, oncologista, Professora Adjunta de Medicina, e Diretora do Programa para Treinamento da Academia na Universidade da Flórida, e da Dra. Caterina Marchiò, Patologista e Professora Adjunta no Instituto do Câncer de Candiolo na Itália. Martina e Caterina, sejam bem-vindas.  

 

Dra. Martina Murphy  

Muito obrigada por nos receber.  

 

Dra. Caterina Marchiò 

Isso mesmo. É um prazer enorme para nós estarmos com vocês aqui hoje.  

 

Dr. Rohit Gosain(Oncology Brothers) 

Martina e Caterina, muito obrigado por participarem novamente. Martina, como oncologista, antes mesmo de termos a chance de discutir as opções de tratamento com as nossas pacientes, há bastante coisa acontecendo nos bastidores para chegar ao diagnóstico correto. A identificação exata do biomarcador é crucial, pois afeta nossas decisões de tratamento. Entretanto, diretamente da coleta do tecido, para a análise do biomarcador, é um processo bem desafiador, que pode, na verdade, impactar o diagnóstico, além das decisões de tratamento. Assim como confiamos nas mutações germinativas e somáticas para decisões de tratamento. Antes de continuarmos, Caterina, você poderia esclarecer a diferença entre as mutações germinativas e somáticas?  

 

Dra. Caterina Marchiò 

Com certeza, Rohit, considero uma ótima forma de começarmos nossa conversa. Na realidade, estamos lidando todos os dias com diagnósticos envolvendo mutação seja germinativa ou somática nos dois principais genes: BRCA1 e BRCA2. Logo, é bom começar pelas definições. Quando falamos de mutação germinativa, significa que a alteração do DNA afetou as células germinativas, ou células reprodutivas, e está presente dessa forma em todas as células do corpo. O fato de a alteração estar presente desde o nascimento, por ser herdada dos nossos pais, infelizmente aumenta o risco de desenvolver câncer de ovário e carcinoma de mama. Por outro lado, uma mutação somática, significa que a alteração de DNA afetou mesmo uma célula após o nascimento, por exemplo, fatores do ambiente ou exposição a outras toxinas. Este tipo de mutação está restrito às células tumorais. No fim, nosso interesse é tanto nas mutações germinativas quanto somáticas no BRCA1 e BRCA2, pois, independentemente da origem, sabemos que se essas mutações estiverem presentes em uma paciente com câncer de ovário, temos opções terapêuticas que a Martina falará em breve. 

 

Dr. Rohit Gosain(Oncology Brothers) 

Muito obrigado, Caterina. Martina, você gostaria de acrescentar algo do ponto de vista clínico, essas mutações de fato têm implicações para nossas pacientes do ponto de vista do tratamento?  

 

Dra. Martina Murphy  

Excelente pergunta. Primeiramente, muito obrigada por me incluir nesta conversa. Então, como a Caterina estava começando a falar da análise desses biomarcadores específicos para tumor, é essencial quando somos comunicadas, em relação às possíveis terapias-alvo para as pacientes com câncer de ovário. Certificando-nos, assim, de que nós, pelo menos, testemos os alvos corretamente, de que os testemos corretamente e que estamos garantindo a acessibilidade a todas as nossas pacientes é importantíssimo. Para chegar à sua pergunta, gostaria de falar rapidamente sobre os principais biomarcadores de relevância clínica como está atualmente. Certamente, a ciência está em mudança todos os dias, mas como se encontra atualmente sobre o câncer de ovário, temos o BRCA1 e BRCA2 que a Caterina comentou. O teste da linhagem germinativa para o BRCA é bem importante para o câncer de ovário. Além disso, o teste somático, mas principalmente o teste da linhagem germinativa por informar não só as decisões de tratamento para nossas pacientes, mas também as estratégias de redução de possível risco para as próprias pacientes, assim como seus familiares. Também fica claro que há outras variantes de genes semelhantes ao BRCA e que resultam em deficiência de recombinação homóloga (HRD), que é relevante conhecer. A visão geral dos testes de BRCA e a situação da HRD são essenciais quando se trata de determinar a elegibilidade e magnitude do benefício dos inibidores de PARP após a quimioterapia baseada em platina. Outro biomarcador relevante e novo é o receptor alfa de folato. O receptor alfa de folato está presente em cerca de 35 a 40% dos tipos de câncer de ovário. Quando ele está presente, teremos um alvo terapêutico, com o mirvetuximabe soravtansine aprovado ano passado. Ele é um conjugado anticorpo-medicamento que foca no receptor alfa de folato e é uma opção de tratamento para mulheres com câncer de ovário resistente à platina cujos tumores expressam o receptor alfa de folato. Por fim, a imunoterapia não é um ator relevante no câncer de ovário atualmente. Mas, sabendo da situação do reparo de incompatibilidade (MMR), é importante na população dessas pacientes, principalmente para pessoas que desenvolvem doença recidiva resistente à platina. Se alguém tiver a deficiência no reparo de incompatibilidade, certamente a imunoterapia é uma opção.  

 

Dr. Rohit Gosain(Oncology Brothers) 

Martina, Caterina, muito obrigado por tratar desse tema. Recentemente, também vimos uma diretriz mais ampla da ASCO em relação aos testes dessas pacientes, com foco maior no tema do câncer de mama, mas é imprescindível que nós entendamos a importância da busca pelas mutações na linhagem germinativa do BRCA1 e BRCA2. Novamente, Martina, você mencionou receptor alfa de folato, que é um ótimo exemplo de mutação somática que podemos procurar.  

Uma abordagem multidisciplinar é essencial para todos os tipos de câncer. Mas, em relação ao câncer de ovário, mesmo em estágio avançado da doença, a cirurgia pode ter papel fundamental na obtenção de uma amostra de tecido maior ou na citorredução tumoral. Caterina, falando novamente da biópsia, o tecido da biópsia da punção aspirativa por agulha fina (PAAF) inicial é suficiente, ou você precisa voltar para fazer mais testes ou da amostra cirúrgica após a paciente ser submetida à cirurgia?  

 

Dra. Caterina Marchiò 

Bom, para os patologistas, quanto mais, melhor! Estamos sempre pedindo mais dos nossos radiologistas e cirurgiões. Ficamos muito felizes de trabalhar com cirurgiões nesse sentido, por nos dar a oportunidade de conseguir amostras mais celulares e mais abundantes em células tumorais. Quando trabalhamos com uma biópsia cirúrgica, ficamos mais felizes. No entanto, às vezes, eu diria que a PAAF ou paracentese, também podem ser uma fonte de células tumorais. Afinal, nosso interesse é nas células tumorais quando fazemos o teste de NGS. Por isso, até as células puras que vêm de fluidos corporais podem ser uma opção, principalmente quando temos ascites. Esses fluidos podem ser uma fonte de células tumorais e que também pode ser bastante abundante em termos de celularidade. Por vezes, podemos ter ainda biópsias pequenas realizadas por via percutânea. Tentamos dar o nosso melhor com o tecido que temos já que não queremos estressar muito a paciente. Logo, é uma questão de equilíbrio entre o que pode ser feito pela paciente e o que conseguimos coletar. Eu diria que ter uma boa quantidade de tecido será uma garantia de que o fluxo de trabalho para a amostra de tecido terá mais sucesso. Quando começamos a fazer o perfil, por exemplo, com um teste de NGS, será uma longa jornada, às vezes, leva semanas. Não queremos falhar bem no final por um problema relacionado à celularidade tumoral. Quando começarmos o teste de NGS, os patologistas precisam ter certeza de que é a amostra correta, de que tem o peso, de que há uma boa celularidade tumoral e de que é de boa qualidade. Um teste pode dar errado não só por não termos a quantidade suficiente de células, mas pelas células não estarem bem preservadas. Portanto, no contexto deste podcast para a conversa sobre os problemas pré-analíticos relacionados a este tipo de amostra, a preservação das amostras de tecido é muito importante.  

 

Dr. Rahul Gosain (Oncology Brothers) 

Caterina, poderia falar um pouco mais sobre os principais desafios que você pode encontrar? A coleta de tecido, o processamento do tecido do câncer de ovário e há algo que podemos aprender com isso?  

 

Dra. Caterina Marchiò 

Isso, exatamente. Ao falarmos dos tipos de amostras, é importante considerar como as administramos e as manejamos assim que as recebemos. Como patologistas, normalmente recebemos as amostras ou do grupo da radiologia ou da cirurgia. É benéfico manter uma boa comunicação com esses departamentos para garantir um bom fluxo de trabalho para o transporte das amostras. O rápido transporte é crucial por precisarmos determinar se a amostra está fresca. Se estiver, a fixação imediata é necessária e a fixação é de extrema importância nesse contexto. Utilizamos a formalina para fixação, de forma ideal 10% de formalina neutra para armazenamento intermediário, como recomendado nas diretrizes para avaliação dos biomarcadores na patologia, não só para pacientes com câncer de ovário. Devemos garantir que a fixação seja feita corretamente, dentro do prazo recomendado entre 6 horas e no máximo 72 horas. Para amostras pequenas, um mínimo de 6 horas é necessário antes da verificação, enquanto amostras maiores não devem ultrapassar 72 horas. Essas diretrizes são essenciais, pois, enquanto a formalina é indispensável para a fixação da amostra, ela também pode afetar os ácidos nucleicos, como o DNA. Já que estamos conversando sobre o teste de NGS, que envolve o sequenciamento do DNA, é importante observar que a fixação em formalina pode fragmentar o DNA e causar alterações em suas bases. Portanto, garantir a extensão correta da fixação é crucial para evitar problemas como fixar demais ou de menos, que pode impactar os resultados. 

 

Dr. Rohit Gosain(Oncology Brothers) 

Martina, outra ferramenta que temos à nossa disposição é a biópsia líquida. Onde você a vê se encaixando no câncer de ovário? Tendemos a confiar bastante nas nossas outras amostras de tumor, principalmente para câncer de pulmão e tipos de câncer gastrointestinais. 

 

Dra. Martina Murphy  

Essa é uma pergunta que recebo cada vez mais das minhas pacientes porque elas adorariam não ter que passar por uma biópsia invasiva, se possível. E, quando se trata de vigilância do câncer de ovário, seria melhor ter mais ferramentas à nossa disposição. Até este momento, a biópsia líquida não é uma fonte ótima e confiável de informações para o câncer de ovário. A minha esperança é de que isso mudará com o aperfeiçoamento de nossas técnicas e com o aumento da nossa compreensão sobre o que realmente devemos procurar na biópsia líquida. Penso que parte do problema com a biópsia líquida no câncer de ovário é que ele se espalha de forma um pouco diferente de alguns outros tumores para os quais a biópsia líquida é benéfica. Ele pode e certamente se espalha de forma hematogênica, mas ele também se espalha por movimento das células cancerígenas para a cavidade peritoneal. Portanto, ele torna a biópsia líquida um pouco menos específica no câncer de ovário. Por não ser algo que usamos regularmente fora do contexto de um estudo ou ensaio clínico.  

 

Dr. Rohit Gosain(Oncology Brothers) 

Quando você menciona esse movimento do tumor, há alguma novidade sobre o DNA tumoral circulante? Principalmente quando há esse movimento dos tumores, será bem mais fácil escolhê-la se houver algum tumor presente ou ausente.  

 

Dra. Martina Murphy  

Esse é o motivo que faria sentido se for algo que pudermos fazer. Creio que estamos apenas tentando aperfeiçoar a técnica e, de novo, entender exatamente o que estamos buscando e como isso se encaixa no tratamento atual e algoritmos de vigilância. Há muito por vir, eu suponho, e sem dúvidas é algo que gostaríamos de ter em vez de repetir biópsias. 

 

Dr. Rohit Gosain(Oncology Brothers) 

E, Caterina, já que estamos nesse assunto de biópsia sólida ou líquida, há alguma diferença regional ou global que você conheça quando se trata de desafios pré-analíticos ou como essas biópsias sólidas ou líquidas são processadas?  

 

Dra. Caterina Marchiò 

Como a Martina mencionou, a biópsia líquida não é uma prática muito comum, então vamos focar nas amostras de tecido. Elas poderiam ser amostras histológicas, mas também podem ser amostras citológicas como comentei antes. Dependendo do centro e dependendo do hábito dos cirurgiões e radiologistas, pode haver um tipo diferente de fonte de amostras de tecido, seja por biópsia cirúrgica, biópsia guiada por radiologia ou a disseminação peritoneal que é coletada por paracentese. Independentemente da fonte, é imprescindível ter a sequência do BRCA1 e BRCA2. Considerando-se que as células tumorais podem hospedar suas mutações somáticas e germinativas, analisar o tecido diretamente nos permite identificar ambos os tipos de mutações. Primeiro, detectamos se há a mutação do BRCA1 e BRCA2, pois temos a possibilidade de tratar a paciente e é disso que ela precisa. Segundo, aprofundamos a análise e vemos se a mutação é germinativa ou somática. Se detectarmos que a mutação é germinativa, depois nós fazemos a abordagem com os parentes e fazemos o teste em cascata na família e paciente. Assim que tivermos o BRCA1 e BRCA2, já estaremos distantes na nossa jornada. Em algumas instituições, podemos fazer mais do que o teste do BRCA1 e BRCA2 ao utilizar uma abordagem abrangente do genoma. Podemos fazer um teste em painel de 50 a 500 genes e detectar alterações adicionais que seriam relevantes para uma segunda ou terceira linha de tratamento. Podem haver variações na quantidade de testes realizados entre diferente instituições. 

 

Dr. Rohit Gosain(Oncology Brothers) 

Agora, trazendo essas informações para o nosso espaço clínico, ou seja, temos a mutação do BRCA, somática ou germinativa e temos os indícios de utilização no inibidor de PARP nesse espaço, Martina, algum indício para aumentar essa indicação para deficiência de recombinação homóloga?  

 

Dra. Martina Murphy  

Pode ser confuso devido a todas as informações que queremos coletar, além do sequenciamento e prazo envolvidos. Todas as diretrizes de todas as sociedades nacionais, como a ASCO, SGO e IGCS, declaram que os testes moleculares no câncer de ovário precisam incluir, no mínimo, o BRCA da linha germinativa. Porém, como a Caterina declarou, também temos interesse nas mutações do BRCA somático e muitos de nós também faz o teste de HRD pelos motivos que conversamos antes. 

Nós o sequenciávamos na prática clínica. Nós fazíamos o teste da linhagem germinativa do BRCA primeiro e, em seguida, se desse negativo, o teste da linhagem germinativa e de HRD no próprio tumor. Da perspectiva prática, isso nem sempre é realista e pode ser difícil do ponto de vista logístico acompanhar quais pacientes fizeram quais testes e em qual ordem. Então, acho que muitos de nós na prática clínica enviaremos os testes do painel germinativo, além do perfil genômico abrangente com uso do NGS no momento do diagnóstico, reconhecendo que provavelmente não faremos nada com as informações do NGS nesse momento, mas queremos ter o máximo de informações possível para avançar com a paciente. Agora, da perspectiva clínica, é importante que você saiba o que está incluso no seu painel de NGS por poder haver diferenças. Por exemplo, nem todas as empresas incluem o receptor alfa de folato. Acho que todas incluem o HRD agora, mas nem sempre foi assim. Logo, como médico, é importante estar atento ao que está incluso e, mais importante ainda, ao que você está buscando e não está incluso no painel que você está enviando. 

 

 

Dr. Rohit Gosain(Oncology Brothers) 

Martina, obrigado por tratar desse tema. O receptor alfa de folato é resistente à mutação ou podemos descobrir isso antecipadamente? Se virmos uma doença progressiva, existe algum papel na repetição do NGS no momento da progressão?  

 

Dra. Martina Murphy  

O teste de receptor alfa de folato é positivo ou não, então, você pode fazer esse teste no início. Agora, é uma questão um pouco diferente de se as pessoas precisam ou não repetir os testes de NGS e eu acredito sinceramente que não há uma resposta correta. Do meu ponto de vista, depende muito do contexto clínico. Nem toda paciente, com certeza nem toda paciente que já teve um teste de NGS no diagnóstico precisa repetir. Para algumas delas depende se elas fizeram o teste de NGS para começo de conversa e quanto tempo faz desde seu diagnóstico, a Caterina pode falar sobre isso. O outro contexto em que posso repetir o teste de NGS é em pacientes que não tenham feito o teste de NGS em muito tempo e naquelas em que o teste não teve alvo terapêutico apresentado para possível cadastro clínico e que, desde então, desenvolveram uma doença resistente à platina, excluindo o uso do mirvetuximabe. Nesses casos, eu teria interesse especial em repetir o NGS para ver se ela tem mutações que são alvo como estão ou que abra oportunidade para possíveis ensaios clínicos. Entretanto, novamente, não há uma resposta certa aqui. 

 

Dr. Rohit Gosain(Oncology Brothers) 

Obrigado. Caterina, do seu ponto de vista, especialmente do ponto de vista da progressão, faz alguma diferença na coleta da amostra de tecido?  

 

Dra. Caterina Marchiò 

Como a Martina dizia, e concordo plenamente com ela, não há resposta certa no momento. Ainda não temos muitos dados e precisamos de um pouco mais. A decisão de repetir o teste também depende do histórico médico da paciente. Se você tiver um curso clínico inesperado, é sempre aconselhável testar novamente se for possível coletar outro tecido. Portanto, agora, quase sempre vejo o perfil genômico abrangente no momento do diagnóstico quando há uma boa quantidade de tecido e a necessidade de haver informações detalhadas para o começo do tratamento, com as informações adicionais deixadas para depois. Caso haja um novo biomarcador e um alvo surgindo, o teste (que pode não ser o teste de NGS, pois precisamos lembrar que as patologias são multimodais) precisa ser implementado de acordo com o novo indício. Neste momento, direi que vejo um perfil imuno-histoquímico muito bom feito logo no início por precisarmos definir o tipo histológico. Nós não mencionamos, mas não fazemos esse tipo de teste em nenhum tipo histológico de câncer de ovário. Há uma infinidade de tipos histológicos, por isso estamos nos concentrando no carcinoma seroso de alto grau e no carcinoma pouco diferenciado, nos quais não se pode excluir um carcinoma seroso de alto grau.  

Então, primeiramente, você precisa rotular o tumor, em seguida, vá ao conjunto de NGS para este tipo de teste quando necessário. Se você conseguir fazer um perfil genômico abrangente, você também pode coletar mais informações que podem ser úteis posteriormente. E, assim, como a Martina comentou, você fica atualizado e integra o teste quando necessário.  

 

 

Dr. Rohit Gosain(Oncology Brothers) 

Obrigado por tratarem desse tema, Caterina e Martina. O Rahul falou sobre o teste de NGS, você percebeu alguma diferença específica na prática clínica nos centros da comunidade e se você fizer uma comparação com os registros acadêmicos? Pessoalmente, quando recebemos esses relatórios da comunidade, me sinto esgotado. E isso é um consenso em toda a comunidade nesse sentido e inicialmente é por isso que as pessoas estavam hesitantes até mesmo em encomendar esses relatórios. 

 

Dr. Rahul Gosain (Oncology Brothers) 

Alguns pontos. Caterina, você mencionou que o primeiro passo é descobrir com qual histologia estamos lidando, com o teste de NGS sendo secundário. Ambos são importantes, mas estabelecer o diagnóstico principal e, em seguida, passar para a outra ferramenta é o que quero enfatizar.  

Na minha prática clínica, fazemos parcerias com terceiros para fazer testes abrangentes como NGS, pois na comunidade os testes internos são testes no local. E, como a Martina comentou, em termos de logística, praticamente, acaba sendo difícil voltar e repetir pelo menos mais um teste ou procurar a mutação resistente etc. Portanto, pelo menos na minha atuação, confio neste painel de testes abrangentes.  

Sobre a complexidade desses relatórios, dissecar todos os dados deles pode ser complicado. Na minha atuação, eu envio o relatório para o câncer de ovário, mas também temos as informações para as mutações de HRD e somáticas, por também temos dados para câncer de próstata lá. Temos que acompanhar tudo o que está disponível e é tão importante dissecar esses relatórios complexos e densos.  

 

Dra. Martina Murphy  

E esse é um ponto muito bom, porque as pacientes também recebem esses relatórios. É incrível com a tecnologia que temos, as pacientes estão tendo mais acesso às suas informações médicas. No geral, isso é algo fabuloso. Esses relatórios podem ser cansativos e complexos para nós médicos, então quando as pacientes os recebem, pode ser um desafio para elas também. Precisamos passar muito tempo das nossas consultas para explicar às nossas pacientes e seus familiares e cuidadores o que esses testes significam. Esse é um ponto relevante que eu gostaria de trazer.  

 

Dr. Rohit Gosain(Oncology Brothers) 

Concordo plenamente, Martina. É inimaginável para nós, então com certeza é exaustivo sob a perspectiva da paciente. Por isso um teste abrangente importante, pelo menos aqui nos Estados Unidos, é uma melhor abordagem, não apenas para o câncer de ovário, mas para todas ou a maioria das nossas pacientes, especialmente quando se fala em medicina personalizada para tantas aprovações em conjunto. Como estamos chegando ao fim, Caterina, alguma última palavra para nossos ouvintes sobre esse assunto?  

 

 

Dra. Caterina Marchiò 

O que sempre falo quando conversamos sobre perfil genômico abrangente, teste de NGS ou tamanho do painel é a quantidade de informações que recebemos desses testes. Quanto mais você olha, maior a complexidade, e você precisa lidar com essa complexidade. É sempre um trabalho em equipe. É bom que hoje em dia, por exemplo, existe um oncologista, existe um patologista. Considero esses dois os principais profissionais que precisam estar presentes nas nossas reuniões multidisciplinares, além do geneticista e bioinformático também serem necessários. Eu acho bom compartilhar as dúvidas, debater a interpretação dos resultados, pois isso ajuda quando conversamos com as nossas pacientes e suponho que a Martina saiba bem disso. Portanto, precisamos ser comunicativos e fazer o trabalho certo em termos de entrega da informação certa no momento certo, para conscientizar a paciente sobre sua doença e as opções. E eu diria que vamos sempre nos unir, principalmente nesse cenário tão complexo.  

 

Dr. Rohit Gosain(Oncology Brothers) 

Concordo plenamente, principalmente quando falamos em abordagem multidisciplinar. Tudo isso tem implicação no prognóstico, as decisões de tratamento para as pacientes e suas famílias. Martina, alguma última reflexão sobre o que abordamos ou o que podemos ter perdido aqui?  

 

Dra. Martina Murphy  

Bem, vou repetir o que a Caterina disse. Um dos motivos pelos quais tantos de nós opta pela oncologia tem a ver com o fato de ser um campo multidisciplinar. Está se tornando cada vez mais importante à medida que a ciência cresce e a quantidade de conhecimento pelo qual somos responsáveis cresce. O principal ensinamento que quero deixar é de que claramente é muito importante para nós entendermos que os principais biomarcadores estão no câncer de ovário e como são clinicamente relevantes, mas considero ser de suma importância que trabalhemos, a nível de sistema clínico e de saúde, para garantir um acesso igualitário a todos esses testes especializados para todas. Independentemente da origem da paciente, ela precisa receber atendimento de alta qualidade para todos os tipos de câncer e certamente no contexto do câncer de ovário.   

 

Dr. Rohit Gosain(Oncology Brothers) 

Isso, exatamente. Caterina e Martina, muito obrigado por abordarem este tema essencial dos desafios da fase pré-analítica e dos testes de biomarcadores e suas implicações na nossa prática diária, principalmente no câncer de ovário. E, aos nossos ouvintes, procurem também outras conversas sobre câncer de próstata e câncer de pulmão neste espaço. Nós somos os Oncology Brothers.  

 

Tonke de Jong (COR2ED) 

Muito obrigado por ouvir este podcast sobre os desafios da fase pré-analítica e seleção de biomarcadores em câncer de ovário. Se você gostou deste episódio, procure os outros episódios desta série, no podcast Oncology Medical Conversation na conta da COR2ED Medical Education, onde discutimos os desafios da fase pré-analítica e teste de biomarcadores para câncer de pulmão e de próstata. Caso tenha interesse em saber mais sobre a oncologia de precisão, acesse cor2ed.com e escolha oncologia. Se você gostou deste podcast, não se esqueça de avaliar este episódio ou compartilhar com seus colegas. Obrigado por nos ouvir e até a próxima. Este podcast é uma iniciativa da COR2ED e desenvolvido pela PRECISION ONCOLOGY CONNECT, um grupo de especialistas internacionais que trabalham na área da oncologia. As visões apresentadas são as opiniões pessoais dos especialistas. Elas não representam necessariamente a visão das organizações dos especialistas ou do restante do grupo PRECISION ONCOLOGY CONNECT. Para pareceres dos especialistas em relação a algum conflito de interesse, acesse o site da COR2ED. 

Martina Murphy, MD is an associate professor of medicine in the Division of Hematology and Oncology at the University of Florida. She is a clinical investigator and medical educator specializing in the care of patients with gynecologic malignancies. Her research focuses in the equitable and accurate healthcare communication across the oncology spectrum as well as the study of issues pertinent to quality cancer care and cancer survivorship. Dr Murphy has a strong dedication to medical education and is actively involved on a national level in research in medical education primarily related to mentorship, career and professional development and novel curriculum development. She serves as the Program Director for the UF Hematology/Oncology fellowship program as well as an Assistant Director for the UF Health Cancer Center Training and Education Program.

Dept. of Medical Sciences - University of Turin Pathology Unit, FPO-IRCCS Candiolo Cancer Institute, strada provinciale 142, 10060 Candiolo Caterina Marchiò, MD PhD, obtained her medical degree at The University of Turin graduating summa cum laude in 2004. She completed her PhD in 2008 after working in collaboration between the University of Turin and the Breakthrough Breast Cancer Research Centre at the Institute of Cancer Research in London between 2006 and 2008. Upon completion of the residency in Pathology at the University of Turin she visited as a Research Scholar the Department of Pathology at Memorial Sloan Kettering Cancer Centre in New York in 2014. She joined the faculty at the University of Turin as an Assistant Professor of pathology at the end of 2014 and she was appointed Associate Professor of Pathology in 2018. Between 2017 and 2018 she served as Visiting Professor at the Pathology Department of Institut Curie in Paris, as a Mayent-Rotschild grantee. Prof. Caterina Marchiò is a diagnostic and experimental pathologist at the Pathology Unit of FPO-IRCCS Candiolo Cancer Institute (University of Turin). Her routine diagnostic activity focuses on breast pathology and molecular diagnostics of solid tumors, including sign-out for in situ hybridization, DNA sequencing and RNA-based assays applied to diagnostics. Her research interests span from histopathogenesis of breast carcinomas to molecular pathology of special histologic types of breast cancer and genetics of HER2-positive carcinomas. A specific interest in HER2-equivocal breast cancer has been funded by the Italian Association of Cancer Research (AIRC), Regione Piemonte and the Ministry of University, Education and Research. She has also actively worked on the standardization of the preanalytical conditions in Pathology to ensure optimal tissue preservation and quality of DNA, RNA and antigens. She is part of the SPIDIA4P consortium, funded by the European Community (H2020-SC1-2016-2017, EU project 733112 – “SPIDIA4P - SPIDIA for Personalized Medicine).

Assoc. Prof. Caterina Marchiò has received financial support/sponsorship for research support, consultation, or speaker fees from the following companies:

Astrazeneca, Bayer, Roche and Daiichi Sankyo. 

Drs. Rohit Gosain and Rahul Gosain, the Oncology Brothers, are board certified in internal medicine, hematology, and oncology. They work in the community setting as generalists, and their mission is to bridge the gap between the community and academia by providing key insights and succinct conference updates, discussing practice-changing data, and reiterating the standard of care.

Programme summary
Listen to the podcast now
Other episodes in this series
Câncer de Próstata: Desafios da fase pré-analítica e teste de biomarcadores (Portuguese)

Câncer de Próstata: Desafios da fase pré-analítica e teste de biomarcadores (Portuguese)

Moderado pelos Oncology Brothers. Episódio 1 da série de podcasts em vídeo de 3 partes

Câncer de Pulmão: Desafios da fase pré-analítica e teste de biomarcadores (Portuguese)

Câncer de Pulmão: Desafios da fase pré-analítica e teste de biomarcadores (Portuguese)

Moderado pelos Oncology Brothers. Episódio 2 da série de podcasts em vídeo de 3 partes

Câncer de Ovário: Desafios da fase pré-analítica e teste de biomarcadores (Portuguese)

Câncer de Ovário: Desafios da fase pré-analítica e teste de biomarcadores (Portuguese)

Moderado pelos Oncology Brothers. Episódio 3 da série de podcasts em vídeo de 3 partes

Current Episode
Share this programme
This educational programme is supported by an Independent Medical Education Grant from AstraZeneca and Amoy Diagnostics.
Endorsement
I agree that this educational programme:

Was valuable to me

1/4
Brought to you by
PRECISION ONCOLOGY CONNECT

PRECISION ONCOLOGY CONNECT is an initiative of COR2ED, supported by Independent Medical Educational Grants from AstraZeneca, Amoy Diagnostics and Bayer.

Meet the experts

Other programmes of interest

Podcast
Oncology 
Colorectal cancer: understanding the needs of different patient populations

Exploring the impacts of age, ethnicity, socioeconomic status, and access to healthcare on patients with colorectal cancer

Experts
Prof. Tanios Bekaii-Saab, Deneen Richmond, Oncology Brothers (Moderators)
Endorsed by
COLONTOWN
  • download Downloadable
    Resources
  • clock 25 MIN
  • calendar May 2024

Educational programme supported by an Independent Medical Education grant from Bayer.
China Europe Anti-Cancer Summit_C2E2403 Other
Oncology 
2nd China-Europe Anti-Cancer Summit 2024: On-demand webinar

Oncologists review basic research and share the latest achievements in clinical practice

Experts
Prof. Yihai Cao, Prof. Ying Wang, Prof. Daiming Fan, Prof. Csaba L. Dégi
  • clock 101 MIN
  • calendar May 2024

This educational programme is supported by an Independent Medical Education Grant from BeiGene.
Podcast
Oncology 
Interpreting real-world evidence in later-line mCRC

Aligning real-world evidence with clinical trial data 

Experts
Prof. Tanios Bekaii-Saab, Prof. Shubham Pant
  • download Downloadable
    Resources
  • clock 27 MIN
  • calendar May 2024

Educational programme supported by an Independent Medical Education grant from Bayer.
Podcast

Episode

1

of 3

episode
Oncology 
Cáncer de próstata: Dificultades en la fase preanalítica y pruebas de biomarcadores (Spanish)

Moderado por los Oncology Brothers. Episodio 1 de una serie de podcast de video de 3 partes.

Experts
Dr Alexander Wyatt, Dr Petros Grivas, Oncology Brothers (Moderators)
Endorsed by
NASPCC AMP
  • download Downloadable
    Resources
  • clock 30 MIN
  • calendar May 2024

Educational programme supported by an Independent Medical Education grant from AstraZeneca and Amoy Diagnostics.
Podcast

Episode

3

of 3

episode
Oncology 
Cáncer de ovario: Dificultades en la fase preanalítica y pruebas de biomarcadores (Spanish)

Moderado por los Oncology Brothers. Episodio 3 de una serie de podcast de 3 partes.

Experts
Assoc. Prof. Martina Murphy, Assoc. Prof. Caterina Marchiò, Oncology Brothers (Moderators)
Endorsed by
AMP
  • download Downloadable
    Resources
  • clock 32 MIN
  • calendar May 2024

Educational programme supported by an Independent Medical Education grant from AstraZeneca and Amoy Diagnostics.
Podcast

Episode

2

of 3

episode
Oncology 
Câncer de Pulmão: Desafios da fase pré-analítica e teste de biomarcadores (Portuguese)

Moderado pelos Oncology Brothers. Episódio 2 da série de podcasts em vídeo de 3 partes

Experts
Dr Bruna Pellini, Dr Semir Vranić, Oncology Brothers (Moderators)
Endorsed by
AMP
  • download Downloadable
    Resources
  • clock 25 MIN
  • calendar May 2024

Educational programme supported by an Independent Medical Education grant from AstraZeneca and Amoy Diagnostics.